sexta-feira, 7 de julho de 2017

Sem tretas


Não é claro por que razão seria injusto ou errado exprimir a opinião de que alguns cidadãos formam juízos normativos ou políticos inferiores aos outros. Concordo com Christiano que todos os cidadãos que todos os cidadãos têm iguais direitos morais básicos. Adicionalmente, concordo que os governos não deviam privilegiar os interesses de alguns sobre os de outros. Nada disto me impede de pensar que algumas pessoas formam um juízo sobre assuntos políticos inferior a outras - quer sobre tópicos específicos quer de forma geral.
Algumas pessoas formam um juízo superior ao de outras em quase qualquer tópico, dentro ou fora da política. Apesar do desacordo, da diversidade e dos vieses cognitivos de interesse próprio, podemos formar, e formamos, verdadeiras crenças justificadas de que algumas pessoas formam um juízo superior ao de outras (...) Note que tais juízos (de que nalguns tópicos uma pessoa sabe mais e forma melhor juízo que outra) não envolvem necessariamente o juízo subsequente de que algumas pessoas são melhores que outras tout-court. (...) Julgar que alguém faz um juízo normativo ou político superior parece especialmente não problemático, uma vez examinado o trabalho empírico sobre o que os cidadãos sabem.

Jason Brennan, Contra-democracia, Gradiva, 2017, pp.172-173

Sem comentários:

Enviar um comentário