terça-feira, 11 de julho de 2017

Cronometrias


Nos dias de Heródoto usavam-se
modos mais exactos de medir o tempo
o gotejar da água para a ânfora
o escorrer da areia, grão a grão
a viagem da sombra, como se não fosse

José Tolentino MendonçaCronometrias, in Teoria da Fronteira, Assírio e Alvim, 2017, p.23


[o sujeito poético como que remete para uma sabedoria ancestral, primordial, ligada aos elementos, da nossa relação com eles, uma sensível capacidade de escuta, perdida numa era muito tecnológica, nem assim mais exacta no nosso modo de "medir o tempo", de nos relacionarmos com ele, de o tocar, de ler o cosmos]

Sem comentários:

Enviar um comentário