segunda-feira, 30 de junho de 2014

Postos na rua


Vem sentar-se à nossa mesa, nas festividades. A aldeia anda em alvoroço: uns, malandro, foi posto a mexer, porque não fazia o que devia, era um calaceiro, um irresponsável; outros, sobretudo outras, coitado, vá lá ver-se o que lhe fizeram, pôr-se o rapaz fora de casa, se isso se faz, onde vai ele viver agora. Está derrotado, humilhado menino e moço, venerando e obrigado em lugar alheio, dura lição, daí a uns tempos voltará a ser aceite, sabe-se lá por que artes e com que regras e condições, refaz-se uma normalidade, refaz?, que se julgava perdida. Vi mais um ou outro caso, de corte radical do berço, sempre entre os de baixo, sempre entre os de baixo como diz Pacheco Pereira, mandados à vida, fazerem-se à vida sem nenhuma mão a amparar, umas vezes ficando por cá, outras emigrando num destino perdido por quem gostava deles.


A partir do conto de Valério Romão, na Granta (Casa), soltaram-se-me estas memórias.


A QUEM GRITAREI?


A quem gritarei, Senhor, a quem recorrerei, se não for a Ti?

Blaise Pascal


"Tu es Petrus"






domingo, 29 de junho de 2014

Francisco, a pobreza e a cultura hodierna




Hoje, também, temos nova entrevista do Papa Francisco, desta vez ao Il Messagero (aqui:http://www.ilmessaggero.it/PRIMOPIANO/VATICANO/papa_francesco_serve_argine_deriva_morale/notizie/770510.shtml)



Lei passa per essere un Papa comunista, pauperista, populista. L'Economist che le ha dedicato una copertina afferma che parla come Lenin. Si ritrova in questi panni?

«Io dico solo che i comunisti ci hanno derubato la bandiera. La bandiera dei poveri è cristiana. La povertà è al centro del Vangelo. I poveri sono al centro del Vangelo. Prendiamo Matteo 25, il protocollo sul quale noi saremo giudicati: ho avuto fame, ho avuto sete, sono stato in carcere, ero malato, ignudo. Oppure guardiamo le Beatitudini, altra bandiera. I comunisti dicono che tutto questo è comunista. Sì, come no, venti secoli dopo. Allora quando parlano si potrebbe dire loro: ma voi siete cristiani» (ride).

Sobre a cultura que vivemos, cita uma curiosa estatística e dela retira a conclusão de que se assiste a "uma degradação cultural" e que é mais fácil o afecto com os animais, "mais programáveis", do que com pessoas/bebés: 

L'altro giorno leggevo una statistica sui criteri di spesa della popolazione a livello mondiale. Dopo alimentazione, vestiti e medicine, tre voci necessarie, seguono la cosmetica e le spese per animali domestici».



Contano più gli animali che i bambini?
«Si tratta di un altro fenomeno di degrado culturale. Questo perché il rapporto affettivo con gli animali è più facile, maggiormente programmabile. Un animale non è libero, mentre avere un figlio è una cosa complessa».



O PS e o PSOE


Agora que os socialistas portugueses se encontram em debate, um olhar pelo exterior pode ter interesse. Em Espanha, a luta pela liderança do PSOE tem como um dos protagonistas Pedro Sánchez: neste Domingo, dá uma entrevista a ElPais onde defende o fim do financiamento privado dos partidos (fim dos donativos de empresas, ou fundações, aos partidos); reivindica "um novo direito: o da garantia alimentária" (cada comunidade autonómica deve garantir três refeições ao dia); assume a possibilidade de uma bicefalia no PSOE; considera que aquilo que os socialistas espanhóis devem, sobretudo, fazer face às heranças de Felipe González e Zapatero é assumir o melhor do que deixaram ("o PSOE deve, sobretudo, reivindicar aquilo em que acertaram"); reclama a igualdade como valor maior para o PSOE (entre o centro e a esquerda, diz que o seu partido necessita de "mais socialismo").


Ortega




Me hubiera gustado escuchar una conferencia de Ortega y Gasset, o, mejor todavía, seguir alguno de sus cursos. Todos quienes lo oyeron dicen que hablaba con la misma elegancia e inteligencia que escribía, en un español rico y fluido, muy seguro de sí mismo, con ciertos desplantes vanidosos que no ofendían a nadie por la enorme cultura que exhibía y la claridad con que era capaz de desarrollar los temas más complejos. La doctora Margot Arce, que fue su alumna, me contaba en Puerto Rico, medio siglo después de haberlo oído, el silencio reverencial y extático que su palabra imponía a su auditorio. Me lo imagino muy bien; incluso cuando uno lo lee —y yo lo he leído bastante, siempre con placer— tiene la sensación de estarlo oyendo, porque en su prosa clara y frondosa hay siempre algo de oral.
La biografía que acaba de publicar Jordi Gracia (Taurus), muestra un Ortega y Gasset mucho menos recio y firme en sus ideas y convicciones de lo que se creía, un intelectual que de tanto en tanto experimenta crisis profundas de desánimo que paralizan esa energía que, en otras épocas, parece inagotable, y lo lleva a escribir, estudiar y meditar sin tregua, durante semanas y meses, produciendo artículos, ensayos, una correspondencia ingente, dando clases y conferencias y desarrollando al mismo tiempo una labor editorial que dejaba una huella importante en la cultura de su tiempo. Muestra, también, que ese trabajador infatigable era, como un Isaiah Berlin, prácticamente incapaz de planear y terminar un libro orgánico, pese a tener la intuición premonitoria de tantos, que nunca llegaría a escribir, porque la dispersión lo ganaba. Por eso fue, sobre todo, un escritor de artículos y pequeños ensayos, y, sus libros, todos ellos con excepción del primero —las Meditaciones del Quijote— recopilaciones o inconclusos. Nada de eso empobrece ni resta originalidad a su pensamiento; por el contrario, como ocurre con los textos casi siempre breves de Isaiah Berlin, los artículos de Ortega son generalmente algo mucho más rico y profundo que lo que suele ser un artículo periodístico, planteamientos, exposiciones o críticas que a menudo abordan temas de muy alto nivel intelectual y cargados de sugestiones a veces deslumbrantes y, sin embargo, siempre asequibles al lector no especializado.
Por eso ha hecho muy bien Jordi Gracia rastreando como un sabueso toda la trayectoria de los artículos de Ortega y Gasset ; es la más segura manera de acercarse a su intimidad de pensador y de escritor, de averiguar cómo discurría en él su vocación de filósofo y de literato. Todo comenzaba por una idea o una intuición que volcaba en un artículo (a veces en varios). De allí, ese embrión pasaba la prueba de una clase o una charla pública y, enriquecido, cuajaba en un ensayo. Aunque muchas veces tenía la idea de prolongarlo en un libro, por lo general no pasaba de allí, porque otra intuición, hallazgo o invención genial lo desviaba a otro artículo, que, luego, siguiendo el mismo itinerario, terminaba desembocando en uno de esos ensayos —con frecuencia excelentes y a menudo soberbios— que son la columna vertebral de su obra y que ocuparon gran parte de su vida.
Jordi Gracia muestra también que la vocación política fue tan importante en Ortega como la intelectual. En su juventud, en su temprana y media madurez, ambas vocaciones se fundían en una sola ; quería ser un gran pensador y un gran escritor para cambiar a España de raíz, volverla europea, modernizarla, democratizarla, lo que para él —como para los intelectuales que atrajo a la Agrupación al Servicio de la República— significaba llevar a gobernar el país a sus hijos más cultos, inteligentes y decentes, en vez de esa clase política que desprecia por mediocre, falta de ideas y de creatividad, acomodaticia y cínica. A tratar de formar un movimiento que materialice ese proyecto dedica buena parte de su tiempo, pues él está convencido que se trata de una acción cultural, de diseminación de ideas nuevas y fértiles, y eso explica que se vuelque de ese modo a una tarea periodística, en diarios y revistas, convencido de que esa es la mejor manera de cambiar la política en uso, contagiando entusiasmo por unas ideas y unos valores que deben llegar al gran público de la misma manera que llegaban a sus estudiantes: a través de la persuasión. En eso consistía lo que él llamaba su “liberalismo”, aunque, muchas veces, le añadiera la palabra socialismo, para indicar que aquella revolución cultural de la vida política no estaría exenta de un fuerte contenido social. La República le pareció que era el régimen más propicio para aquella transformación política de España.
Sin embargo, aquellos no eran tiempos para la sana controversia de las ideas como quería Ortega, sino la de los fanatismos encontrados en la que los insultos y las pistolas reemplazaban rápidamente los debates y los diálogos entre los adversarios. Este será el gran fracaso de Ortega, la absoluta inoperancia de aquella pacífica revolución cultural que proponía y que, primero la violenta experiencia republicana y luego la sublevación fascista y la guerra enterrarían por más de medio siglo.
El libro de Jordi Gracia da cuenta pormenorizada y con admirable objetividad de la traumática experiencia que significó para Ortega el desmoronamiento de todos sus anhelos políticos. Primero, la desilusión que tuvo con la República que no se parecía en nada a aquella ilustrada coexistencia en la diversidad que había previsto, y, luego, la sublevación militar y la Guerra Civil. La impotencia lo condujo al silencio. Pero nunca traicionó su propio ideal, aunque admitiera que, en esa circunstancia, era simplemente impracticable, desprovisto de toda realidad. El silencio que guardó en tantos años de exilio, en Francia, en Portugal, en Argentina, desprestigió a Ortega a los ojos de muchos. Yo creo que fue un acto de gran coraje tratar de mantenerse al margen, sin tomar partido, por dos opciones que le parecían igualmente inaceptables: el fascismo y una república muy poco democrática, dominada por los extremismos sectarios.
Creo que fue un gran error de su parte volver a España en plena dictadura, creyendo ingenuamente que con la posguerra el régimen se abriría; y la verdad es que lo pagó caro, pues, como muestra con lujo de detalles Jordi Gracia, a la vez que seguía siendo atacado (y silenciado) con ferocidad por el nacional catolicismo, ciertos sectores falangistas trataban de apropiárselo, sembrando la confusión en torno de él, al extremo de que seguidores suyos tan fieles como María Zambrano llegaran a creer que había traicionado sus viejos ideales. Nunca los traicionó; hasta el fin de sus días fue laico y ateo y defensor de una democracia liberal signada por la tolerancia. Al mismo tiempo, pese a la incomodidad política permanente en la que pasó sus últimos años, su vitalidad intelectual nunca cesó de manifestarse, en ensayos y artículos que recobraban a veces el vigor expresivo y la riqueza creativa de antaño. El reconocimiento que tuvo en los últimos años fue en el extranjero, en Alemania sobre todo, pero también en Inglaterra y en Estados Unidos. En España, en cambio, y hasta hoy día, nunca se le ha reivindicado del todo, porque, para unos, es una figura ambigua y reticente, que mantuvo durante la Guerra Civil y la inmediata posguerra un silencio cobarde que constituía una discreta complicidad con los fascistas, o un conservador de viejo cuño, inadaptado e irremisiblemente enemistado con la modernidad.

Uno de los grandes méritos del libro de Jordi Gracia es que, sin excusarle ninguna de sus equivocaciones y errores políticos, ni dejar de señalar cómo a veces la vanidad lo cegaba y lo llevaba a exagerar sus exabruptos, hecho el balance, Ortega y Gasset es uno de los grandes pensadores de nuestra época, y que, precisamente en el tiempo en que vivimos —no en el que él vivió— sus ideas políticas han sido en buena medida confirmadas por la realidad. Leerlo ahora no es un quehacer arqueológico, sino una inmersión en un pensamiento candente, muy provechoso para encarar la problemática actual, a la vez que disfrutar del placer exquisito que produce un escritor que pensaba con gran libertad y originalidad y expresaba sus ideas con la belleza y la precisión de los mejores prosistas de nuestra lengua.

Mário Vargas Llosa, ELPAIS, 29/06/14.

O Mundial de Portugal





1.Se é determinante, para a estabilidade de um seleccionador e de um conjunto de jogadores, saber, antes de uma grande competição, que o líder técnico permanece ou sai, renovará o presidente da FPF, Fernando Gomes, o contrato de Paulo Bento antes do Euro 2016? Se não renovar, nem afirmar a vontade de ruptura não enfraquece, de qualquer modo, o treinador? Se afirma a vontade de que este saia, antes da competição, não será acusado de desestabilizar? Terá Paulo Bento margem, então, para exigir essa clarificação pré-Euro? Haverá espaço, após a qualificação, para uma não continuidade de Bento? Arriscar-se-á a renovação, mesmo com hipóteses de novo fracasso que vinculará, mais ainda do que hoje, o máximo responsável federativo?

2.A expressão “assumo todas as responsabilidades” já entrou no léxico do futebol com o mesmo significado de “há que levantar a cabeça”: não quer dizer rigorosamente nada.

3.O momento “perguntem ao Queiroz” 2014 aconteceu quando Ronaldo, após o jogo com os EUA, veio dizer que os colegas, coitados, eram medianos, fraquinhos. Foi seguido do momento "se é para perder prestígio não venho à selecção" 2014: podia ficar em casa, com os títulos do clube (mas aqui vim fazer o jeito).

4.Demagógico, colocou, nessa altura, a questão em termos de uma exigida vitória no Mundial, quando só lhe tinha sido solicitado que vencesse EUA e Gana e não fizesse demasiada má figura com a Alemanha.

5.Há 4 anos, a má forma (leiam os jornais nacionais e internacionais da época) era culpa do Queiroz, agora das lesões e dos colegas; dentro de 4 anos, será da idade? 


Ser consequente


Na quinta-feira, António Lobo Xavier reconhecia, na sic notícias, que o que Seguro – através dos seus mais variados apoiantes – tem dito de Sócrates está ao nível do que a Aliança Portugal disse nas últimas europeias. Um remake, acrescentou Pacheco Pereira. De resto, o nível é exactamente o mesmo quando se preferem os adjectivos aos substantivos. Se um governo foi um desastre – como os desconhecidos notáveis do PS que assinaram um nada notável manifesto no I, ao lado da famosa entrevista de João Proença -, deve explicar-se, com detalhe, porque o foi. Só isso permitiria, no PS e no país, do PS para o país, um debate sério e esclarecedor, mesmo que três anos depois (Proença alude às PPP e ao memorando negociado, é certo, mas não vai além disto e não assina o tal manifesto). Não estamos perante questões que digam respeito, exclusivamente, a uma dada pessoa, numa avaliação moral ou judicial do seu comportamento (embora essa avaliação também possa ser e tenha sido realizada). Da mesma maneira que Proença explica que é impossível uma coligação à esquerda três perguntas antes de sustentar essa mesma aliança, por pura táctica, assim, também, num populismo sem qualquer outro valor, Seguro, autor de uma tragédia política pior a cada dia que passa, ataca os governos Sócrates e a seguir apresenta propostas que, a levar a sério as críticas a tais governos, não poderiam ser as que são (dado que os problemas seriam outros e não aqueles que identifica como necessários resolver). Neste contexto, o artigo de Daniel Oliveira, este Sábado, no Expresso, tem o mérito de pôr os pontos nos i’s, mostrando o que está em causa – fora do mundo dos mestres-escola – quando se discute a figura de Sócrates:

“Se Seguro acha que esta crise resulta de Sócrates, isso tem três consequências lógicas: que a crise é essencialmente nacional, e não europeia; que ela nasceu do endividamento público, e não da desregulação do sistema financeiro e, por cá, da enorme dívida externa privada; e que ela resultou de um peso excessivo do Estado. Se Seguro acha isto tudo, não terá, em coerência, outro remédio senão apresentar as mesmas propostas da direita para sair desta crise: uma recuperação centrada na redução da despesa pública, que nunca poderá poupar o Estado social, e uma aceitação do statu quo europeu. O problema da socratização do debate não é Sócrates. É a história que nos conta desta crise. O problema de Seguro não foi afastar-se de Sócrates. Foi (…) ter-se ido instalar no lugar que a direita já tinha ocupado. Sim, por mera conveniência táctica, isso aconteceu apenas com o diagnóstico. Mas se o diagnóstico é esse, o seu programa de governo não pode ser muito diferente do que está a ser aplicado. E para isso já temos Pedro Passos Coelho”. 



A Europa em contínua discussão


O tema maior do QI desta semana é a “rebelião intelectual contra esta economia”, à escala internacional e nacional, com o eclodir de muitas obras, nos últimos anos, sobre esta temática. De entre as publicações nacionais (ou em português), João Céu e Silva seleccionou três títulos, as últimas três que encontrou (foi esse o critério): Os 10 erros da troika em Portugal (Rui Peres Jorge); A Europa à beira do abismo (coord.Tony Phillips) Portugal na queda da Europa (Viriato Soromenho-Marques).

O maior destaque foi dado à última destas obras com entrevista a Soromenho-Marques: “escrevi um livro para ajudar a libertar os leitores da opressão das narrativas simplistas e inimigas da inteligência que dominam na ‘explicação’ da crise. Tenho tido dezenas de reacções muito favoráveis de leitores que me agradecem o facto de, pelo menos, se sentirem mais aptos a ler os sinais da crise por entre o nevoeiro e o labirinto dos acontecimentos”. De acordo com o Professor de Filosofia, em uma ironia corrosiva, as “elites nacionais não têm tempo para ler” (p.9, QI).

O desaparecimento da segunda moeda de reserva mais importante do mundo (a seguir ao dólar), isso sim, seria o equivalente económico e financeiro a uma guerra mundial (…) Os países periféricos estão a suportar sozinhos os custos da austeridade que lhe está a ser imposta por causa dos erros de desenho da UEM (…) O que os dirigentes da periferia ainda não perceberam é que, isoladamente, cada país não consegue fazer valer nenhuma proposta da zona euro. Contudo, se três ou quatro países se unissem numa proposta rigorosa, bem fundamentada, ameaçando ir tão longe quanto possível na recusa da austeridade nos termos em que ela está a ser imposta no Tratado Orçamental, o problema já não seria só desses países. Seria da Alemanha também. Seria de toda a zona euro. O cidadão comum não faz a mínima ideia da ignorância profunda que grassa nas chancelarias. Somos governados por gente que não percebe a força de um argumento, mas é sensível ao argumento da força. Estou convencido de que só salvaremos a paz europeia se formos capazes de urdir uma estratégia persuasiva capaz de combinar a inteligência com a força que só uma efectiva frente de países permitirá (…) Muito do que a Europa é, sob todos os aspectos, tem uma marca de Portugal. O facto de estarmos hoje entregues a uma elite política medíocre e anémica não apaga a página que Voltaire escreveu que a história do mundo moderno tem o seu ano zero na chegada de Vasco da Gama à Índia. Somos europeus há muito mais tempo de que todos os povos além-Reno, por exemplo (…)
Essa possibilidade [saída do euro] será crescentemente maior. Contudo, será o resultado de uma derrota, de um falhanço colossal da capacidade política. Estou seguro de que se isso ocorrer, Portugal não sairá da zona Euro, nem por desígnio político nem sozinho. Se isso acontecer será de modo totalmente desorganizado. Será ainda mais terrível do que os piores prognósticos pressagiam. A Europa ficará mergulhada numa guerra jurídica, comercial económica e financeira. Esperemos que não escale para algo de mais sujo e terrível (…)
Penso que depois das eleições europeias ficámos com um relógio em contagem decrescente. Se a Frente Nacional conseguir ganhar as eleições presidenciais de 2017 (…) não é só a Zona Europa que acabe mas o projecto europeu que entrará num buraco negro, com repercussões a nível mundial.
Há demasiadas pessoas que pensam que o euro é uma moeda demasiado importante para poder desaparecer, como antes de 1914, muita gente pensava que a paz na Europa estava suficientemente apoiada nos equilíbrios do poder da ordem europeia. Infelizmente, tanto a paz que terminou em 1914 como o nosso euro assenta num sistema político muito frágil. Ou fortalecemos a Europa política, com uma viragem democrática e federal, ou a Europa implodirá. (…)

Durão Barroso é um ‘animal político’ muito bem preparado, com grande capacidade de trabalho. O problema fundamental é que ele leva demasiado a sério o imperativo maquiavélico, que aconselha o príncipe a lutar para se manter no seu lugar. Barroso poderia ter escolhido lutar pela Europa. Poderia ter-se demitido, depois de um discurso fortemente pró-europeu, frente ao Parlamento Europeu. Se o tivesse feito, seria hoje uma referência na Europa e teria uma passadeira vermelha directamente para Belém. Preferiu fazer o trabalho sujo que Merkel, sempre desprezando-o ostensivamente, lhe impôs, para se arrastar na Comissão. Barroso é um bom exemplo de que sem princípios, e visão de futuro, a política, por mais hábil que seja, é um nojo. (…)

A vitória de Marine le Pen é também o reacendimento da velha hostilidade antigermânica. A senhora Merkel não pode esquecer que uma França em derrocada poderá recorrer ao argumento da sua poderosa force de frappe (o arsenal atómico francês).


QI, ano 3, nº146, 28 de Junho de 2014.


DO PAPEL/IMPORTÂNCIA DO ESTADO


Inovação. Afinal, o Estado é o maior empreendedor

‘Os grandes avanços da civilização’, escreveu Milton Friedman em Capitalismo e Liberdade (1962), ‘na arquitectura ou na pintura, ciência ou literatura, indústria ou agricultura, nunca tiveram origem no governo’. Não explicou onde é que inseria a arte patrocinada pelo Estado na Atenas de Péricles, nem os Médicis que, enquanto banqueiros dominantes e dirigentes florentinos, encomendaram e financiaram tanta da arte do Renascimento. Ou a corte espanhola, que nos deu Velásquez. Ou o Manhattan Project do governo norte-americano, que originou a produção da bomba atómica, ou os Institutos Nacionais de Saúde, cujas bolsas concedidas conduziram a muitas das mais importantes inovações farmacêuticas.
Talvez pudéssemos perdoar os comentários mal informados de Friedman como uma explosão de entusiasmo ideológico, se tantos economistas e executivos não aceitassem este mito como verdadeiro.
Ouvimos repetidamente de quem não se esperaria que o governo é um obstáculo às inovações que produzem crescimento. Que devia sair do caminho. (…)
Felizmente, um novo livro, The Entrepreneurial State, da economista da Universidade de Sussex Mariana Mazzucato, documenta enfaticamente o quanto essas afirmações estão erradas. (…) Por exemplo, embora Steve Jobs tenha imaginado e concebido de maneira brilhante novos produtos, a pesquisa científica de base para o iPod, iPhone e iPad deveu-se a cientistas e engenheiros apoiados pelo governo, na Europa e na América. A tecnologia touch screen baseou-se em pesquisas feitas em laboratórios financiados pelo governo nos anos de 1960 e 1970.
Gordon designou os Institutos Nacionais de Saúde um útil ‘apoio’ governamental ao muito mais importante trabalho das farmacêuticas. Mas Mazzucato demonstra que estes Institutos foram responsáveis por 75% dos maiores avanços conhecidos, entre 1993 e 2004. Maria Angell, antiga editora do The New England Journal of Medicine, descobriu que as novas entidades moleculares que tinham prioridade como possivelmente conducentes a avanços significativos no tratamento médico eram sobretudo criadas pelo governo.



Jeff Madrick/The New York Review of Books, traduzido no Dinheiro Vivo, nº149, p.4, DN, 28 de Junho de 2014.


sábado, 28 de junho de 2014

Pesquisas





Curiosamente, não encontrei na biblioteca de Vila Real, e em outros locais vilarealenses onde o julgava seguro (tal como todo um dossier organizado sobre o assunto/tema), o ensaio de João Vieira sobre os vitrais que assinou na Sé da capital transmontana. Fui encontrá-lo na biblioteca Lúcio Craveiro da Silva, em Braga (no Porto também não foi possível sinalizá-lo).


Racismo


Conceito de racismo:

"Racismo é uma noção do final do século XIX que designava a promoção de teorias e hierarquias raciais. Só nos anos de 1920 e 1930 veio a designar hostilidade contra determinadas raças. Com a psicologia social, cheguei a esta noção de "preconceitos relativos a descendência étnica combinados com acção discriminatória". Penso que é uma noção suficientemente simples e concisa para funcionar historicamente. Consigo encontrar exemplos desde pelo menos o século XV de preconceitos combinados com acção discriminatória".

Francisco BethencourtPúblicoY (27/06/2014, entrevista concedida a Isabel Salema), p.8.


Raça


Conceito de raça

"É uma noção extremamente flexível. No final da Idade Média, designa o desenvolvimento de animais e plantas. É aplicada à aristocracia e à linhagem nobre no Norte de Itália e em França. Começa por cima. Depois em Espanha começa a descer na hierarquia social. A noção de raça passa a estar ligada a mácula de sangue, a estigma, ao cristão novo que tem um defeito de origem. Com a expansão europeia, já no século XV e depois no século XVI com o tráfico de escravos, raça passa a designar também os povos africanos. A noção de raça passa a compreender estes estratos mais estigmatizados da população e a justificar essa suposta inferioridade dos africanos porque eram escravos. No século XVIII, por exemplo, há também a noção de raça de mulheres e, no século XIX, raça passa a ser equivalente a nação (...) Hoje os afro-americanos reverteram a questão e transformaram a raça numa forma de identidade colectiva contra a discriminação. Tem um sentimento e um desejo de raça"

Francisco Bethencourt, Público, Y (27/06/2014, entrevista concedida a Isabel Salema), p.8-10.


"Nocturno"


Nocturno

Se não vieres,
Senhor,
Quem poderá curar
A ferida de amar?
Sozinho com o cacho de um coração pesado,
Por toda a parte
Me queimará a ausência
Sem que jamais se consume
Este desejo de borboleta nocturna
Pela estrela
Até quando, enfim, até à aurora
Consentir.

Gilles Baudry (nascido em 1948), in Cartas a Deus.As mais belas orações cristãs, Philippe Capelle, Temas e Debates, 2010, p.340.


Há mais coisas entre o céu e a terra do que pensa a nossa economia





Tenho vindo, aqui, com alguma frequência a referir-me à importância de perceber o pressuposto/preconceito antropológico de que parte a - uma determinada - economia, perspectiva nuclear para depois se perceber as conclusões a que chega. E como autores como Amartya Sen têm vindo a publicar, como em A ideia de justiça, em sentido contrário, expondo a diversidade de motivações da pessoa humana, complexificando e alargando o horizonte da discussão, desconstruindo o humano de que parte certa teoria. Neste sentido, vale a pena ler uma das notícias do Público de hoje, referente a um artigo acabado de publicar na Nature: "uma equipa de investigadores quis perceber qual a disposição das pessoas para avaliarem os recursos que existem e deixarem o suficiente geração após geração. Segundo o trabalho, a maioria está pronta a sacrificar recursos para si em prol do futuro. Mas para que isso acontecesse foi necessário aplicar a votação, conclui um artigo científico publicado na quinta-feira na revista Nature com o título invulgarmente simples e poético “Cooperar com o futuro”."A observação surpreendente é que, apesar de haver uma minoria de pessoas que não quer cooperar, a maioria vota altruisticamente”, explica Martin Nowak num comunicado da Universidade de Harvard, Estados Unidos. O investigador é um dos líderes da equipa que conta ainda com cientistas da Universidade de Yale, em New Haven, EUA. “Essas pessoas não estão a votar para maximizar os seus próprios benefícios, e é isso que permite cooperar com o futuro.” Esta demonstração está de acordo com estudos recentes em que se mostra que as pessoas são, em geral, altruístas, contrariando a ideia prévia de que os humanos são racionais e egoístas nas suas escolhas, principalmente quando os sacrifícios de hoje só beneficiam as gerações futuras".


Em busca da verdade


Lera, há uns anos, numa entrevista de Ian Kershaw, e havia tomado como adquirido, que apesar de ambos absolutamente execráveis, os anti-semitismos cristão e nazi, respectivamente, se haviam distinguido, historicamente (e filosoficamente, se se pode dizer assim) por, no primeiro dos casos, face a um dada condição religiosa ela poder ser alterada (conversão) e, portanto, a eliminação das pessoas não ser um passo que se seguia (obrigatoriamente), enquanto que, no segundo dos casos, o problema era tido como racial e, logo, só com o desaparecimento dessa "raça" a pureza ariana era alcançada.
Todavia, entrevistado, hoje, no suplemento cultural do Público, o (27/06/2014), a propósito da edição do livro Racisms: from the crusades to the twentieh century, o historiador português Francisco Bethencourt afirma que "a diferença entre religião e descendência não existe. Os preconceitos em relação à religião judaica ou muçulmana foram transferidos para as populações que tinham sido convertidas. É como se a conversão não tivesse tido lugar, porque os cristãos velhos consideravam que os atributos físicos e mentais dessas populações se reproduziam de geração em geração (...) Do ponto de vista colectivo, é um dos casos mais flagrantes de acção discriminatória que rompe com toda a tradição de igualdade dos cristãos, porque a mensagem de São Paulo foi de difundir Jesus a toda a humanidade, saindo do contexto étnico judaico" (p.8). Se, a crer neste historiador, no caso da perseguição a judeus, nomeadamente na Península e, em particular, em Portugal, não assentou, exclusivamente, na dimensão religiosa, por outro lado, a perseguição rácica na Alemanha nazi assentou, também, em um preconceito religioso: "os preconceitos religiosos são mobilizados na perseguição aos judeus. Penso que é um aspecto em que também há alguma novidade no livro" (p.8).
Para futuros debates, identificadas posições diversas, em busca da verdade.


sexta-feira, 27 de junho de 2014

Tratado transatlântico


Continuo a ver muito pouco tratado na imprensa portuguesa o tema do Tratado de Comércio entre a União Europeia e os EUA. A excepção foi a entrevista do Público ao secretário de Estado dos Assuntos Europeus, Bruno Maçães (na passada segunda-feira). Aí, ficámos a saber que o Governo encomendou estudo, e já possui resultados, relativamente ao impacto do Tratado na Economia portuguesa. Segundo o governante, o estudo demonstra "que os ganhos para a economia portuguesa são muito significativos"(p.22), embora "no cenário mais ambicioso" (da regulamentação, ainda longe de fechar). Nas perguntas do Público, a indicação de que os industriais do tomate temem que metade da indústria, nesta área, desapareça - Maçães refere que, com efeito, cinco fábricas na Califórnia produzem tanto como 5 países europeus, em concentrado de tomate. A questão da geografia vs copyright tem demonstrado as diferentes abordagens comerciais europeia e norte-americana, respectivamente, com os interesses de Portugal a serem defendidos caso haja a indicação de que aquele (vinho do) Porto teve origem no nosso país. Maçães espera que o final de 2015 seja a data da conclusão do acordo transatlântico.
Bem sei que é difícil furar a barreira do Mundial, mas com mais uma mudança significativa em matéria política-económica-comercial, com efeitos potenciais em tantas vidas, seria de esperar que telejornais e outros espaços informativos nos dessem conta do que está em jogo neste Pacto. Que tivesse reparado, apenas o Monde Diplomatique - na edição de Junho - dedica um dossier temático (que estou a ler) a esta importante questão.


Génesis





Só a partir do século XIX, se concebem como narrativa mítica os três capítulos iniciais da Bíblia, sobre a criação. Até essa data eram considerados história (factual) (Carreira das Neves, 2014, 19).


quinta-feira, 26 de junho de 2014

Depois de tempos, tempos virão


O D.Sebastião é, pela primeira vez, um moderado que não excita: Francisco Assis não tem desaproveitado a crise interna do PS para afirmar, mais notoriamente ainda, um caminho próprio - vide, a sua posição muito marcada sobre a moção de censura do PCP e a resposta que entendia que o PS devia adoptar -, para se separar, com habilidade, de uma colagem ou subalternidade face a outras figuras do Partido Socialista (António Costa), conseguindo, por um lado, ter o respeito de seguristas, pois que, sabendo-o mais próximo de Costa, declarou apoio ao actual Secretário-Geral e, por outro, balizada essa posição - também como resultado de um princípio indeclinável de lealdade em função da última eleição para o Parlamento Europeu -, o à-vontade com que diz que não se trata, agora, de uma questão moral ou de legitimidade na questão da disputa para a liderança do PS, agradará, por certo, aos costistas. A capacidade de alargar o seu espaço próprio no interior do PS, de estar mais livre e solto, permite-lhe, aliás, fixar uma agenda própria para o debate interno nestas eleições (vide texto de hoje, no Público), somando, de um passo, críticas à "desonestidade intelectual" de se compararem resultados eleitorais para as europeias de 2014 com os de 2004 - arremetendo, assim, contra alguns dos compagnon de route da candidatura de Costa -, com outras implícitas à estratégia política - aqui, Assis é menos contundente nos adjectivos usados, mas refere-se a a matéria mais importante - prosseguida pelo PS de Seguro (se se tivesse prosseguido "plenamente" essa estratégia...). Claro, Assis continua situado, nessa estratégia que olha para o passado (recente) e presente, e bem assim, nas alianças para futuro com olhos centristas (alguns dirão de direita). Todavia, entre uma afirmação tão clara, como a que Assis faz, de que é mais fácil um entendimento com PSD e CDS-PP do que com PCP e BE, ou uma entrevista lamentável, como a que João Proença deu ontem ao I, na qual, nomeadamente em relação a alianças futuras, depois de descrever como impossível será uma aliança com os partidos situados à esquerda...acaba por dizer, com um tacticismo de fazer corar, que deve ser preferencialmente aí que se devem concentrar os entendimentos, preferível é esta posição às claras - e diga-se que, além da honestidade intelectual do posicionamento, a verdade é que não se compreende como, no actual contexto, depois do PCP ter feito campanha pela saída do Euro, e conhecida a posição do PS, poderia haver uma aliança (estrutural); coisa diferente seriam acordos de incidência parlamentar, sobre temáticas específicas, bem delimitadas e aí, sim, compreender-se-ia um pacto.
Com um PS dilacerado, Assis encontrou o seu momentum, adquirindo uma respeitabilidade e autoridade moral que, em alguma altura, lhe darão uma força outra que não possuía - na mesma escala -até este eclodir de confrontação. O colocar as coisas no plano da estratégia política e das ideias, sem se deixar ir em arrastamentos do pior, evidentemente só o favorecem.


O gosto da boa crónica


Releio um texto, da imprensa local, com alguns anos, da autoria de António Azevedo, sobre os vitrais da Sé de Vila Real. Que bem informado, quanto estudo ali colocado, artigo denso e de primeira. Raro, muito raro mesmo, na imprensa regional (e não só...). Umas vezes concordando, outras divergindo das opiniões do autor, sem dúvida que estas marcaram, distinguindo-se pela força e qualidade do que transmitiam, nas letras de jornal que importava ler semanalmente. A pequena investigação acerca dos vitrais de João Vieira enxertados no gótico vila-realense que venho fazendo foi óptimo ensejo para recordar, com saudade, essas crónicas que falta nos fazem.


quarta-feira, 25 de junho de 2014

O guião profundo





O tópico a religião e o mal, em viagem pelo abrupto, leva-me às gravações automáticas do cabo e no ponto contraponto, após ficar a saber que José Pacheco Pereira salvou documentação de Maria de Lurdes Belchior, sou remetido para a série True detective (HBO, criação de Nic Pizzolatto), “a série com o melhor guião de sempre” segundo o historiador, na qual, “se o título nos sugere um policial”, podemos recolher, contudo, bem mais do que isso, densos diálogos filosóficos. O excerto apresentado no programa de Pacheco Pereira capta, imediatamente, o meu interesse. A discussão, no Sul dos EUA, entre dois detectives sobre o porquê de alguém aderir a uma religião, da sinceridade/genuinidade da mesma e a pergunta pelo sentido, de facto, promete.
“As pessoas gostam de contos de fados”, atira o céptico de serviço. “Para quem diz que não se interessa por isto pareces desesperado”, responde-lhe o mais convencional dos polícias. “Pelo menos, procuro reflectir sobre as coisas”, rebate o primeiro.
Há muito background nos diálogos, aduz o autor do programa da sic notícias.
Uma das argumentações críticas/contra a fé afirma que Deus não é mais que uma projecção do ser humano – o ser humano gosta de acreditar em fadas. Se “nada existe apenas porque eu o desejo ou anseio” (H.Kung), também nada deixa de existir apenas porque eu o desejo ou anseio (“era precisamente aqui que residia o paralogismo do argumento da projecção de Feuerbach e dos seus inúmeros seguidores: Deus não existe, afirmavam eles, só por eu desejar que ele exista. A pergunta que eu (…) lhes faço é a seguinte: porque deveria e poderia não existir, de antemão, algo desejado, esperado, ansiado por mim? Porque deveria ser pura ilusão aquilo que, há milhares de anos, se proclama, adora e venera em milhares de templos, sinagogas, igrejas e mesquitas? Porque deveria ser, a priori, uma empresa sem sentido a procura, pelos pensadores jónicos anteriores a Sócrates, de um princípio (grego: arché) – ou seja, uma origem de todas as coisas, bem como depois a reflexão de Platão sobre a ideia do bem, a de Aristóteles sobre um primeiro motor e meta de todas as coisas ou de Plotino sobre o grande Uno? Será tudo isso nonsense, um mero sem sentido? E deve, verdadeiramente, ficar insatisfeito o imenso anseio de paz eterna, sentido último e justiça definitiva que nós, seres humanos, sentimos?, Kung, 2014, 131)
Por outro lado, essa procura de que fala o realista, o pessimista dos polícias – pelo menos, procuro reflectir, compreender as coisas – não será a confirmação de que também parece em busca do sentido, outro nome para Deus, segundo Wittgenstein? (pareces desesperado)

Wittgenstein, em entrada do seu diário, de 11 de Junho de 1916, citado por Kung:

Que sei sobre Deus e a finalidade da vida?
Sei que este mundo existe.
Que estou colocado nele como o meu olho no seu campo visual.
Que há nele algo problemático a que chamamos o seu sentido.
Que esse sentido não reside nele, mas sim fora dele.
Que a vida é o mundo.
Que a minha vontade penetra o mundo.
Que a minha vontade é boa ou má.
Que o bem e o mal, portanto, têm que ver, de algum modo, com o sentido do mundo.
Que podemos chamar Deus ao sentido da vida, isto é, ao sentido do mundo.


Consigo aceder, de imediato, à série e vejo que o primeiro episódio me recoloca nas aulas de filosofia do conhecimento – Eu acho que a consciência humana é um passo em falso trágico na história da evoluçãoNós nos tornamos muito auto-conscientes. A natureza criou um aspecto da natureza distinta de si mesmo. Somos criaturas que não deveriam existir na lei natural". E, de seguida: teremos um verdadeiro “eu”, ou não estaremos programados para pensarmos que o possuímos, pura ilusão, não seremos mais do que marionetas sem real existência?, de uma conjunto de filósofos até ao Matrix aí vamos nós – ou nos contemporâneos debates sobre a cruz em sociedades laicas: se não és cristão, em que acreditas tu, afinal? Qual o sentido da vida para ti? Porque tens então uma cruz em casa? Porque me permite a contemplar. Pensar em como alguém se ofereceu para ser crucificado.


Esta noite, conto seguir outros episódios.


"Não gosto que o resultado me diga o que pensar"


Perfeito.


Holanda llega a octavos con puntaje perfecto, decidiendo todos los partidos por dos o más goles de diferencia y dejando la sensación, a pesar de su juventud, de equipo adulto atrás, batallador en el medio y muy rápido y talentoso arriba. Tengo como selecciones clásicas a todas aquellas que alguna vez ganaron un Campeonato del Mundo, pero habría que incluir a Holanda y no por haber jugado tres finales, sino porque es más importante crear una escuela que ha influido para bien al fútbol, que ser campeón del mundo. Son más de cuarenta años los que lleva Holanda usando la pelota para revolucionar el juego. Nadie discute que en términos de estilo, el último Mundial encontró en la final a dos equipos a la holandesa, la misma Holanda y España. Y tampoco quedaron dudas de que España fue más holandesa que Holanda. Cuatro años después, España murió en su ley y Holanda se mantiene viva dándole la espalda a su propia escuela. Sé que el debate no lo gana el que muere. Al menos en estos días, cuando la sensación de fracaso con la que España abandona el Mundial todavía lacera. Yo, sin embargo, veo más futuro en la convicción de España que en esta traición a la esencia que protagoniza Holanda con tanto éxito.
Cruyff ya levantó la voz con la autoridad del profeta que es y seguramente se le criticará por opinar contra el resultado. Pero hay que recordar que si el buen fútbol no ha sucumbido a la fuerza del pragmatismo, es porque fanáticos como Cruyff se han mantenido firmes en sus ideas y en su momento demostraron que el atrevimiento y la belleza son eficaces. Extraña que Van Gaal haya caído en la tentación y seguro que tiene razones para ello: una defensa joven que hay que proteger, una bala llamada Robben que invita a contragolpear, una rica experiencia que le llevó a la conclusión de que especular es inteligente. De hecho, así definió su victoria ante Chile: “Ganó el equipo más inteligente”.
No me imagino tanta inteligencia en Menotti, Cruyff o Guardiola, tipos que no negocian jamás sus ideas. Y que influyen en los Mundiales a veces sin necesidad de intervenir. La España campeona del mundo tenía cosas (nada menos que hasta siete jugadores) del Barça de Pep. Y Alemania, para mí y hasta hoy el equipo más atractivo de este Mundial, juega con 7 jugadores del Bayern de Guardiola, entre ellos Lahm, lateral reconvertido en mediocentro con gran éxito. Invento de Pep que Löw aprovecha en Alemania.
Voy a decir que todos los estilos son válidos para que se me reconozca la amplitud de mis ideas. Pero no me gusta que un resultado me diga cómo tengo que pensar. Prefiero un loco atrevido que llena el fútbol de vida, que la inteligencia aplicada al cálculo, el control y la especulación. Esa maravilla llamada fútbol nunca debería convertirse en un ámbito aburrido que en mitad de un partido nos hace recordar que existe la muerte. ¿O no jugamos para olvidar la realidad?


Jorge Valdano, 24/06/14, ElPais.

terça-feira, 24 de junho de 2014

A corrida ao 'ambientazo'





Não sendo um aficionado de desportos motorizados, com gosto vejo uma parte da comunidade local empolgada com as corridas, recebo, satisfeito, as notícias, algumas com chamada de capa em jornais nacionais (JN e I; este último, fazendo do tema destaque no suplemento de lazer e cultura), que dão conta de hotéis cheios na região e, portanto, dinamização da actividade económica no concelho.
Na sexta à noite, desço, no entanto, ao povoado, procurando sentir o pulsar da cidade, face ao fim-de-semana gordo que aí estava. Ora, nesse contexto, foi com alguma surpresa que dei conta, dez e meia-onze da noite, como o centro histórico permanecia desértico, a Avenida Carvalho de Araújo despida de gente, o Pioledo desabitado como desde há uns anos. Talvez, no futuro, se possa fazer algo para integrar a cidade toda no espírito de uma desejada movida (patrocinada pelas corridas).
Lembrei-me, então, desse local a que sempre regressamos, a infância, e do modo como a sexta-feira à noite, na avenida principal, juntava os aventureiros dos speeds no limite, dos cavalinhos loucos, das manobras perigosas que amedrontavam tanto quanto atraíam, do ron…ron histriónico até à chegada, inevitável, da polícia de choque, tropa que encerrava, pois, a noite inicial das festividades. Estava criado, pois, como dizem os espanhóis, o ambientazo para os dias seguintes.
Como gerá-lo, em tempos diferentes dos do início dos anos 90 – por exemplo, a polícia de choque aparecia, em vários locais, pelo país, com uma frequência e assiduidade que hoje seriam impossíveis, porque a sociedade e seus valores são outros -, eis a questão.


'Visão Global'


Visão Global

Nunca é de mais recordar: um dos melhores programas da rádio portuguesa. Aos Domingos, na antena1. Conduzido por Ricardo Alexandre. Com os problemas crescentes do Iraque ou a situação na Ucrânia, a acompanhar com especial atenção.

O resto é paisagem


Leio na revista do Expresso que a exposição, inaugurada na semana passada, com obras de Nadir Afonso, na Fundação Cupertino de Miranda, no Porto, é a primeira, realizada no país, sobre o pintor transmontano, após a sua morte, em Dezembro último. Então eu pergunto: o Museu da Vila Velha (com a exposição Intemporal, inaugurada em Abril e patente até Agosto), em Vila Real, fica em Espanha?


segunda-feira, 23 de junho de 2014

Sobre a descristianização da Europa



*O Parlamento norueguês decidiu, por maioria, proibir a mendicidade. A primeira fase do processo será local e ficará a cargo dos municípios. No Verão de 2015, a lei entrará na sua fase final, e a mendicidade será proibida a nível nacional. 


domingo, 22 de junho de 2014

Para guardar. Uma edição histórica do "Público"




Com o Público de hoje, um documento histórico: "A história nunca contada dos portugueses nos campos de concentração". A juntar ao P2 deste Domingo, o do próximo, que completará uma investigação (jornalística) de nove meses. Acho que se fosse adolescente e estivesse a inteirar-me, pela primeira vez, das questões da II Guerra Mundial e dos campos de concentração também ia gostar de ter este documento original. Documento para cidadãos e pais guardarem. Nessa altura, ficaria a saber que dezenas de meus compatriotas "foram transportados para os campos de concentração e alguns morreram lá". E impressionar-me-ia com "um destino ignorado pelo seu país, esquecido por membros das suas famílias, desconhecido dos portugueses. Quase 70 anos depois do fim da guerra, as suas histórias são finalmente contadas". Pelo trabalho de Patrícia Carvalho (texto) e Nélson Garrido (fotografia). 
A interrogação sobre os portugueses nos lager foi "uma pergunta que até há pouco tempo não se fazia". Aliás, "no ITS (International Tracing Service), Renate Broker, que há 20 anos ajuda a reunir famílias ou a desenhar as histórias perdidas dos que morreram nos campos de concentração, garante nunca ter tido um pedido de informação vindo de ou sobre Portugal".
Na procura de respostas aos motivos deste esquecimento - só ligeiramente mitigado pelo projecto que Fernando Rosas pretendia empreender sobre o tema, ou referências não desenvolvidas por Irene Pimentel nas suas obras sobre Portugal e o holocausto -, em Editorial o Público encontra num escrito de Diogo Ramada Curto, em Para que serve a história?, a mais funda razão de tamanha negligência: "Apesar da pobreza dos debates, parece existir em Portugal um mercado bem consistente para a História de Portugal. Centrado quase exclusivamente na produção de bens nacionais - ou seja, numa historiografia feita por portugueses sobre a sua nação e, se tanto, o seu império , tal mercado confunde-se com a expressão de sentimentos difusos de uma nostalgia pelas grandezas do passado". Conclui o Público: "nada disso existe nas histórias dos portugueses mortos nos campos nazi. Grandeza só houve na medição do horror".
São as histórias de Luiz Ferreira, Acácio Pereira, Maria d'Azevedo, Michael FrescoDuarte da PaixãoAugusto José Rodrigues...


W.A.Mozart: Clarinet concerto in A major, K.622





Concluindo: nem sequer a música de Mozart constitui uma prova da existência de Deus, mas também não é, de modo algum, um convite ao pessimismo e ao niilismo. Pelo contrário, enquanto assiste à execução de uma peça musical, a pessoa sensível e disposta a ouvir talvez veja ser-lhe concedida, em determinados momentos, a possibilidade de se abrir à confiança razoável/suprarracional de que falámos. Então, com ouvido apurado, consegue perceber no som puro, não-verbal, totalmente interiorizado e ainda assim envolvente, algo completamente diferente: o som do belo na sua infinitude, mais, o som do infinito que nos transcende e para o qual «belo» não é a palavra adequada. Assim, a música é uma forma de entrar em consonância com uma harmonia superior.

Hans Kung, Aquilo em que creio, p.153.


Notícias da (des) regulação financeira




E o Porto aqui tão perto (II)


Após longos anos de ausência, o cinema vai passar a ter uma presença regular na Baixa do Porto, primeiro no Passos Manuel e depois de Setembro no Teatro Rivoli. O Porto/Post/Doc é uma nova estrutura, dinamizada, entre outros, por Dario Oliveira, ligado às Curtas de Vila do Conde, e que em Dezembro inaugurará na Invicta um novo festival internacional de cinema de documentários. O compromisso para o imediato consiste na exibição regular, sempre aos Domingos, a partir das 21h30, de fitas relevantes das novas cinematografias.

No Actual, do Expresso. 31/05/14


Mundial 2014: segundas notas




1.Só quem não viu o que a Inglaterra jogou neste Mundial pode continuar a dizer que no futebol não há injustiças. Os ingleses marcaram presença em 180 (Inglaterra-Itália e Inglaterra-Uruguay) dos melhores 360 minutos deste campeonato do mundo (os restantes 180' ficam a dever-se ao Espanha-Holanda e ao Brasil-México). Em definitivo, a selecção inglesa deu muito mais ao futebol do que dele obteve (futebol ofensivo, busca da baliza adversária, boas jogadas e ocasiões em troca de...duas derrotas).

2.Em sentido inverso, a Argentina teve excessivo prémio para o futebol apresentado (confusão táctica, anarquia, ausência de ideias e de ligação de jogo...e duas vitórias).

3.A época 2013/2014 acabou por ser madrasta para o grande Steven Gerrard: fatídico o passe que isolou Demba Ba, no Liverpool-Chelsea, de final de época, na Premier League, hipotecando, em boa medida, as condições para os reds vencerem o título; fatal o toque de cabeça que colocou em jogo Luís Suarez e possibilitou o 2-1 ao Uruguay que eliminou - em conjugação com o Costa Rica-Itália -, assim, os britânicos. Nunca Gerrard terá integrado tão boas equipas: no clube e na selecção.

4.Se houvesse justiça no futebol, Suarez seria bola de ouro (uma ideia que repesco). Di Maria estaria num lote restrito de seleccionáveis como um dos melhores do ano, no qual caberiam Sterling ou Sturridge.

5.Há jogadores que, mesmo não estando, longe disso, nos níveis ideais do ponto de vista físico conseguem, ainda assim, grandes e decisivas performances: veja-se Suarez frente à Inglaterra.

6.Mal o Uruguay regressou ao espírito guerreiro, faca nos dentes, antes quebrar do que torcer os resultados estiveram à vista. Repita-se: uma identidade não se negoceia.

7.Quando, em vez de Xavi, para o jogo com o Chile, Vicente del Bosque apostou em Pedro Rodriguez, o que fez, a meu ver, foi estimular aquilo que a natureza decisiva do encontro e a pressão da goleada prévia, por si só, gerariam nos jogadores: vontade de chegar muito rapidamente à baliza contrária; futebol mais directo; pouca paciência. Eis como táctica e modelo de jogo e psicologia/comportamento podem ligar-se umbilicalmente: em vez de um futebol de posse, passe curto, toque, cadência susceptível de gerar (auto) confiança, a opção por um futebol mais vertical, directo, com Pedrito - diferentemente, a substituição de Xavi por Koke, por exemplo - a adicionar a Diego Costa foi propulsora de uma perda mais rápida de bola, controlo pelo adversário e aproveitamento deste das fragilidades espanholas. Ligação entre táctica e psicologia-comportamento de jogadores algo que se aprendia quando Mourinho, falando da periodização táctica, ensinava futebol (em vez de se perder em frases espúrias).

8.Estou em crer que Del Bosque não permanecerá no comando técnico espanhol. As primeiras reacções da imprensa e público espanhóis foram muito positivas, mas as segundas - vide, p.ex., a Marca deste Domingo - nem tanto. Cruel, o jogo desfere golpes mesmo em cavalheiros. Del Bosque não aceitará ser tratado como o estorvo e sairá.

9.Tostão escreveu na Folha de São Paulo aquilo que um verdadeiro amante do futebol não pode deixar de subscrever: "O Barcelona e a Espanha deram uma enorme contribuição ao futebol mundial. As grandes selecções e times incorporaram muito o estilo bonito e eficiente dos espanhóis e acrescentaram vários detalhes importantes. Essa mistura é a razão do excelente futebol que vemos hoje na Copa. Espanha, obrigado! Arrepiei muito ao ver tantas belas partidas. Te aplaudo de pé" (o artigo pode ser lido aqui). A ligação Barcelona-selecção espanhola fica, uma vez mais, identificada, em tributo a Pep Guardiola.
Um outro testemunho, de Camoranesi, pode ser escutado aqui.

10.O fim do tiki-taka? Quando vêm a sucessão de passes da selecção alemã, cuja opção estrutural (plano A) é jogar, pela primeira vez, sem ponta de lança fixo é nisso que pensam?

9.Tostão escreveu na Folha de São Paulo aquilo que um amante do futebol, quem gosta mesmo do jogo, não poderá deixar de subscrever, sobre La Roja: "O

Sobre a 'mão invisível'


Contudo essa ideia [mão invisível, teorizada por Adam Smith] foi, na verdade, antecipada há 300 anos, pelo médico e pensador holandês Bernard de Mandeville. Antes de Smith, foi ele quem provocou escândalo geral com o seu poema filosófico The fable of the bees or, private vices, publick benefits (1714). Trata-se de uma sátira social que aprofunda outros escritos em língua inglesa do autor que, entretanto, se radicara na pátria da futura Revolução Industrial. Na sua fábula, Mandeville representa a sociedade civil na figura de uma industriosa colmeia, devorada por vícios e paixões egoístas, mas também por intensa actividade criadora. A reforma moral dos comportamentos, a substituição do vício pela mais estrita das virtudes, acaba por conduzir a colmeia ao colapso e à mais completa decadência. O diagnóstico contido na conclusão da narrativa de Mandeville é inequívoco: o egoísmo, a própria corrupção dos princípios morais, desde que moderados e contidos nas fronteiras de uma legalidade adequada, nunca explicitada, revelam-se benéficos, não só para os indivíduos mas para a própria colectividade. Nessa direcção apontam os versos finais: «Embora todas as partes estivessem cheias de vício/ Contudo o todo era um paraíso/ (…) O pior de toda a multidão/ Fazia algo pelo bem comum/ (…) A fraude, luxúria e orgulho têm de viver,/ Enquanto nós os seus benefícios recebermos/ (…) Assim o vício é julgado benéfico/ Quase é limado e limitado pela justiça».

(…)

Haverá sempre quem pergunte se fará sentido, nos planos moral e político, incluir na riqueza nacional uma esfera da economia que não paga impostos (contrabando), prolonga a escravatura de seres humanos (prostituição) ou transforma pessoas em lamentáveis farrapos (droga). Quem faz essa pergunta ainda não percebeu que na competitiva Europa neoliberal que estamos a construir, depois da destruição do Estado Social, o próximo alvo a abater será a ética pública. O que é a moral senão um conjunto de tolas convicções, insensíveis à esfera das transacções, impedindo o funcionamento óptimo dos mercados?


Viriato Soromenho-Marques, A nova ‘fábula das abelhas’, Visão, nº1111, 19 a 25 de Junho de 2014, p.28.



E o Porto aqui tão perto





Rui Moreira: Eu disse ao que vinha: a cultura é decisiva para o desenvolvimento da cidade.
[No anterior mandato] Não havia um pensamento estratégico em relação à Cultura e ao que ela representa.

Visão: O Porto está na moda. Existe o risco de a cidade se transformar numa espécie de Disneylândia?

Rui Moreira: É um risco real. Particularmente no centro histórico. Não podemos deixar que o turismo e actividades conexas espantem as populações e interfiram com a vida das pessoas. Mas ainda estamos muito longe de chegar à capacidade máxima do Porto, em termos turísticos. Temos de trabalhar outras realidades para os turistas: Miguel Bombarda, Cedofeita, os vários Portos que existem dentro da mesma cidade.

(…)

[O voto em Marinho e Pinto] É um voto de protesto, não é replicável nas legislativas.

(…)

O verdadeiro acto anticonstitucional foi o acordo com a troika. A sua assinatura suspendeu, de alguma maneira, as funções da Constituição. E isso devia ter sido dito na altura pelo Presidente e pelos partidos que assinaram o pacto. Os próprios juízes [do Tribunal Constitucional] podiam ter chegado a essa conclusão. Tinha sido um jogo aberto com os portugueses.

(…)

Pessoas que dizem que quem recebe RSI não quer trabalhar, que os funcionários públicos têm emprego para a vida…Incomoda-me uma sociedade que se baseia no confronto entre «eles» e «nós». Pessoas que reconheciam alguma coesão social alinham nesse discurso. Está a criar-se território para o populismo.



Entrevista conduzida por Miguel Carvalho, Visão, nº1111, 19 a 25 de Junho de 2014, p.31-36.